Descubra quais alimentos apresentam mais resíduos de agrotóxicos

Morango, tomate, laranja e alface são alguns que apresentam maior nível de contaminação

O Ministério da Agricultura divulgou no Diário Oficial de 25 de fevereiro a liberação de 67 novos agrotóxicos para o uso de agricultores, sendo sete deles “extremamente tóxicos” segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, responsável pelo monitoramento desses componentes. Para quem não sabe, a utilização desses insumos é permitida para produzir alimentos em larga escala, com o objetivo de combater pragas que podem prejudicar a produção. O problema é que o uso indiscriminado, pode afetar o meio ambiente e acarretar problemas para a saúde do consumidor e do produtor rural.

De acordo com um dos relatórios do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para) de responsabilidade da Anvisa, 28% dos alimentos analisados tinham níveis acima do que é permitido ou apresentavam resíduos de agrotóxicos não permitidos, como é o caso do azaconazol e tebufempirade. 

Abaixo você confere o ranking dos produtos com maior número de agrotóxicos e acima do recomendado. A porcentagem indica a quantidade de amostras (lotes) fora do permitido:

  • Pimentão: 89%
  • Morango: 59%
  • Alface: 43%
  • Pepino: 42%
  • Abacaxi: 41%
  • Cenoura: 33%
  • Laranja: 28%
  • Uva: 27%
  • Mamão: 20%
  • Tomate: 12%
  • Maçã: 8%
  • Arroz: 1%

Uma das medidas para diminuir o número de resíduos de agrotóxicos na alimentação, garantindo a saúde de quem manuseia e de quem consome, é investir na compra de produtos orgânicos. A lista de produtos que integram esse grupo não para de crescer, tanto para alimentos in natura quanto para os processados.

A Boa Terra é um dos sítios mais antigos na produção e comercialização de frutas, verduras e legumes sem o uso de agrotóxicos. Há também produtos de mercearia e de primeira necessidade como arroz, feijão, café e azeite; e variedades, incluindo carnes, ovos e laticínios. Pelo site www.aboaterra.com.br é possível montar a sua cesta personalizada ou escolher entre  a sugestão do sítio (R$ 36 a R$ 124) –  assinaturas semanais custam de R$ 50 a R$ 163 reais.

Se não for possível consumir todos os alimentos de forma orgânica, então opte por aqueles que recebem mais agrotóxicos. A Boa Terra possui certificação pelo  IBD para produção e distribuição de orgânicos, o que garante a procedência dos alimentos que são entregues semanalmente para centenas de famílias. 

Comentários Via facebook

Deixe uma resposta

voltar ao topo