Marca de bebida vegetal amplia portfólio com leite de aveia

A Tal da Castanha, marca nacional de bebidas vegetais, começou o ano trazendo uma novidade à base de aveia. O produto é composto apenas por quatro ingredientes: água, farinha de aveia, carbonato de cálcio e sal marinho; e não inclui oleaginosas na formulação. Já está disponível nos supermercados do Brasil e também no e-comerce https://loja.ataldacastanha.com.br/.

A nova bebida não leva castanhas, soja, lácteos, glúten ou conservantes, sendo ideal para os simpatizantes do veganismo, os alérgicos a lactose e também para os que desejam diminuir o consumo de produtos de origem animal podendo substituir o leite de vaca no cafezinho, além de poder acrescentar em receitas e smoothies. A aveia utilizada na bebida é certificada sem glúten, portanto, é também uma opção para celíacos.

A aveia contém fibras que auxiliam no controle da glicemia, sendo excelente para os diabéticos. Os cereais também são ricos em cálcio, ferro, magnésio e vitaminas do complexo B. Entre os benefícios para a saúde estão controle da pressão arterial, redução do colesterol ruim, melhora na digestão e na saúde do coração, incluindo mais energia e diminuição do cansaço. A bebida é enriquecida com cálcio, entregando por copo de bebida 40% das recomendações diárias deste importante nutriente.

Sobre A Tal da Castanha: 

A Tal da Castanha é uma marca genuinamente brasileira que utiliza em sua composição apenas ingredientes de origem natural e vegetal. A marca combina excelência e inovação para trazer ao mercado brasileiro uma linha inédita de produtos que inclui bebidas vegetais, pastas e snacks. A filosofia da marca é pautada em pureza e simplicidade, quanto menos ingredientes, melhor. Líder no segmento, os produtos A Tal da Castanha são distribuídos nos melhores mercados do país. A Tal da Castanha é uma referência entre as marcas clean label do Brasil e faz parte da seleta lista de empresas B, um grupo global de organizações comprometidas com a geração de impacto positivo na sociedade e no meio ambiente.

Comentários Via facebook

Deixe uma resposta

voltar ao topo